Semifrio de Pêssego (e mais mil coisas!…)

Nível de dificuldade

É preciso estar concentradx

Tempo de preparação

De um dia para o outro

Custo

não é caro nem barato

Ora bem, um semifrio é uma coisa óptima, que sabe bem especialmente no Verão, mas que tem ficado esquecido. Entre as geladeiras artesanais que se tornaram uma grande moda e as sobremesas de microondas, o belíssimo semifrio, esse clássico dos anos oitenta e noventa, tem ficado para trás.
Porque é Verão e porque me apetece muito recuperar estas receitas que me fazem lembrar a infância e aqueles almoços mais prolongados em tempo de férias, cá vai o semifrio de pêssego.
Primeiro porque o pêssego é a minha fruta favorita depois da maçã, porque é lindo e porque só os há no Verão, depois porque isto se faz enquanto o Diabo esfrega um olho, e por último porque o congelador é que faz o trabalho pesado.
Imaginem depois do jantar em férias, enquanto se arruma a cozinha faz-se a matinada dos pêssegos, depois o resto é num piscar de olhos e antes de lavar os tachos finais, vai tudo para o congelador e no dia seguinte ao almoço… SURPRESA!

Ingredientes

5 ou 6 pêssegos maduros
6 colheres de sopa de açúcar amarelo ou mascavado
200gr de framboesas
1 pacote de natas frescas
4 ovos
Hortelã ou Alecrim
1 pau de canela
1 cálice de vinho do Porto branco
3 colheres de sopa de vinagre balsâmico
12 bolinhos secos ou biscoitos (usei areias)

Modo de preparação

  1. Descasque os pêssegos e corte-os em cubos; reserve;
  2. Num tacho, aqueça o vinagre balsâmico, a hortelã ou o alecrim, o pau de canela, o vinho do Porto branco, duas das colheres de açúcar e por fim os pêssegos; deixe levantar fervura até reduzir todos os elementos ao máximo;
  3. Entretanto, bata as natas até ficarem bem firmes e reserve-as no frigorífico;
  4. Separe as gemas das claras, bata as claras em castelo e reserve;
  5. Bata as gemas com o restante açúcar até obter um creme fofo e reserve;
  6. Parta as areias em pedaços grosseiros e adicione-as à mistura do pêssego; retire-lhe o pau de canela e o alecrim ou a hortelã e deixe arrefecer no congelador antes de adicionar à mistura;
  7. Adicione as natas às gemas batidas com o açúcar até obter uma mistura homogénea e adicione duas colheradas das claras em castelo; envolva muito bem e adicione o pêssego, envolvendo bem; integre o resto das claras em castelo sem mexer demasiado;
  8. Forre um recipiente com película aderente, deixando bastante excesso para fora; 
  9. Verta o semifrio para dentro da forma forrada e cubra com película aderente; 
  10. Leve ao congelador por cerca de 8 horas ou de um dia para o outro;

 

DICAS (para isto sair tudo nos conformes!)

  1. As natas devem ser natas frescas, com pelo menos 30% de gordura e quando as bater devem estar frias, para montarem bem firmes;
  2. Bata as natas devagar, para não as transformar em manteiga, porque não é isso que queremos!
  3. Convém que os pêssegos estejam bem refrigerados antes de os juntar à mistura, caso contrário vai ter de, a meio da refrigeração, dar a volta ao seu doce, para não assentar tudo no fundo… 
  4. Se quiser ter a certeza absoluta de que fica tudo bem solidificado, adicione uma ou duas folhas de gelatina incolor, previamente amolecidas em água; 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *